Santa Catarina anuncia contratação de 1.084 novos policiais militares

Santa Catarina anuncia contratação de 1.084 novos policiais militares

Foi assinada na manhã desta segunda-feira, 20, em Florianópolis, a chamada de 1.084 novos policiais militares aprovados no último concurso Leia mais »

Novilíngua, eufemismos e … testosterona

Novilíngua, eufemismos e … testosterona

por Percival Puggina – O famigerado “politicamente correto” parece nascido nas páginas de 1984, o profético livro de George Orwell Leia mais »

Verdes apanicados pela abertura de institutos e arquivos sobre o clima

Verdes apanicados pela abertura de institutos e arquivos sobre o clima

por Lui Dufaur – Se as instituições científicas até agora instrumentalizadas por militantes ambientalistas passam a fornecer dados certos, as Leia mais »

Concorrência força melhoria da qualidade do serviço de Táxi em Florianópolis

Concorrência força melhoria da qualidade do serviço de Táxi em Florianópolis

por Paulo Simões –  A chega dos aplicativos de transporte particular de passageiros em Florianópolis está forçando a preocupação com a qualificação Leia mais »

Proibida a pesca de 475 espécies de peixes e invertebrados

Proibida a pesca de 475 espécies de peixes e invertebrados

por Paulo Simões – A decisão que proíbe a captura, transporte, armazenamento, guarda e comercialização de 475 espécies de peixes e invertebrados Leia mais »

CDL DECLARA APOIO ÀS MEDIDAS LEGAIS ADOTADAS PELA PREFEITURA DE FLORIPA

CDL DECLARA APOIO ÀS MEDIDAS LEGAIS ADOTADAS PELA PREFEITURA DE FLORIPA

por Paulo Simões –  Em função do atual cenário político enfrentado pela nova administração pública municipal, a CDL de Florianópolis Leia mais »

 

Quando um cacique fala toda a verdade, brilha a falácia da “revolução ambientalista”

Por Luiz Dufaur – 


A questão indígena no Brasil tem servido a movimentos de esquerda e a certas ONGs como pretexto na luta contra o direito de propriedade, o que tem prejudicado os próprios indígenas.

É uma das revelações que narra nesta entrevista Silvestre Leocádio da Silva, 66, antigo tuxaua (cacique, na língua macuxi).

Ele dá o exemplo da reserva indígena Raposa/Serra do Sol, que se transformou — após sua demarcação e consequente expulsão dos antigos moradores — numa verdadeira “favela indígena”.

A mídia vezeira em noticiar alarmismos eco-ambientalistas, ela não o é quando se trata de denúncias sobre a ação criminosa de ONGs, por vezes ditas católicas, e organizações oficiais que manipulam os índios para investirem contra propriedades particulares.

Eis um depoimento revelador do caráter subversivo “vermelho” comuno-tribalista da revolução ecologista que está sendo feita no Brasil, “para salvar o planeta”.


Revolução Tribalista sob investigação

Catolicismo — O senhor é índio macuxi?

Silvestre — Sim, tenho duas etnias no meu sangue: meu pai é macuxi e minha mãe é ingaricó.

Catolicismo — Qual é a situação hoje da Raposa/Serra do Sol, depois da saída dos arrozeiros e dos senhores de lá?

Silvestre — Uma tragédia. Se não fosse essa tragédia, hoje os índios estariam muito bem, ganhando dinheiro, recebendo projetos do Governo Federal, do Governo do estado, na Raposa/Serra do Sol, com 1.750.000 hectares.

Mas o Governo Federal simplesmente abandonou a população indígena. E não foi só a da Raposa/Serra do Sol não, foi em todo o estado de Roraima.

Catolicismo — E os ianomâmis, o senhor tem notícias deles?

O futuro era promissor. Mas, subitamente, em nome do índio os índios foram jogados na pior das misérias

O futuro era promissor. Mas, subitamente, em nome do índio os índios foram jogados na pior das misérias

Silvestre — Os ianomâmis estão aí ao léu, andando pelas ruas de Boa Vista com vassouras no ombro para trocar por um calção, por uma camisa, por vestidos para suas mulheres.

Eles andam em grupos o dia todo aí pelas ruas da cidade. Então, cadê o dinheiro do Governo Federal? Demarcaram aquelas terras para os índios, ou para o Governo Federal ou para as ONGs?

Como índio, eu queria ter o prazer de hoje dar uma entrevista e dizer que o índio está muito bem com as terras demarcadas, que o índio está ganhando dinheiro, que o índio está na tecnologia, que o índio está participando do progresso brasileiro, do progresso de Roraima.

O que se passa é o contrário. Os índios estão abandonados, e não são só os da Raposa/Serra do Sol. É triste quando você vê os ianomâmis aí passando fome, passando necessidade, sem remédio e sem educação.

Catolicismo — E as ONGs não têm feito nada por eles? Pois, além do Governo Federal, através da FUNAI havia ONGs fazendo muito barulho…

Índio macuxi Adalto da Silva num lixão sem emprego, teve que deixar a Raposa/Serra do Sol

Índio macuxi Adalto da Silva num lixão sem emprego, teve que deixar a Raposa/Serra do Sol

Silvestre — Eu não conheço vocês e vocês não me conhecem… A gente está aqui conversando, mas se vocês pegarem um avião e forem a Santa Rosa ou ao Maracá, lá em cima, de onde eles tiraram os garimpeiros por duas ou três vezes, lá está um grupo de americanos, instalado lá com casa, rádio, televisão, tem de tudo.

Eles estão lá, mas os brasileiros não podem se instalar lá. Há um grupo lá que se diz missionário…

Os índios da Raposa/Serra do Sol estão todos aí pedindo educação, pedindo saúde, pedindo estrada, porque eles não têm estrada, não têm pontes; eu os vi fazendo essa reivindicação para a governadora daqui do estado. Com um monte de papel na mão, fazendo pedido: querem estrada, querem ponte, não têm dinheiro.

E quem criou o problema com a demarcação foi o Governo Federal. Agora, por que o Governo Federal não aperta as ONGs, os padres, os missionários?

Cadê o dinheiro que eles trouxeram para demarcar e por que não continuam aplicando esse dinheiro lá dentro? Porque lá dá de tudo! Se plantar, dá!

Mas como é que o índio vai plantar se não tem apoio? Se não tem maquinário? Se não tem técnica? O índio está lá abandonado!

O governo federal simplesmente demarcou e abandonou!

Aqui no município de Alta Alegre, próximo de Boa Vista, nós temos 11 comunidades com terras demarcadas em ilhas, não tem nada dado pelo Governo Federal para que esse povo tenha dias melhores, para que esse povo tenha um bom relacionamento, que não tem.

Catolicismo — Tivemos informações de que na Raposa/Serra do Sol — talvez o senhor conheça mais especialmente o assunto — o Conselho Indigenista de Roraima, ligado à CNBB, estaria ajudando os índios. O senhor sabe como vão funcionando as coisas por lá?

Silvestre — Na verdade é assim: quem tem, tem, quem não tem, não vai ter. Há um gado que foi doado pela Igreja Católica, que na época ficou para poucas comunidades, para algumas comunidades. E a maioria ficou sem nada.

O Governo do estado, na ocasião também doou um pouco para cada um, mas hoje eles estão vendendo tudo para se manter, para comprar arroz, açúcar, feijão, comprar de tudo.

Eu vejo eles vindo aqui na cidade; vão aí nesses mercados, e têm que comprar de tudo, até a banana eles levam. É triste!

Catolicismo — Extrativismo eles não fazem mais? Extrativismo, caça, pesca…

Silvestre — Olha, não tem mais nada lá. Tem para aqueles que moram perto do rio, aqui próximo de Boa Vista. Porque esses rios lá em cima são rios de cachoeira, não têm peixe.

E a caça não existe mais, acabou. Existe muito pouquinho. Eles têm de comprar aqui. No Uiramutã, por exemplo, os marreteiros levam de tudo daqui para vender para eles lá.

Levam peixe, levam galeto e eles são obrigados a pagar um preço absurdo. Aqui na capital já está tudo caro.

O marreteiro que sai daqui pra vender lá, só pode vender caro. Então, agora está difícil a vida para os índios de lá.

O autor é escritor, jornalista, conferencista de política internacional, sócio do IPCO, webmaster de diversos blogs
continua no próximo post: Como a revolução comuno-ambientalista
está destruindo o Brasil e até os próprios índios