Restauração da Ponte Hercílio Luz entra na fase final

Restauração da Ponte Hercílio Luz entra na fase final

As barras de olhal, fundamentais na restauração da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, chegaram no canteiro de obras da empresa Leia mais »

Verdes sem argumentos: o Brasil está alimentando mais de um bilhão de pessoas!

Verdes sem argumentos: o Brasil está alimentando mais de um bilhão de pessoas!

 – por Luiz Dufaur* –  A produção de grãos do Brasil é superior a uma tonelada por habitante (dados finais Leia mais »

Autorizada construção de empreendimento imobiliário em Governador Celso Ramos

Autorizada construção de empreendimento imobiliário em Governador Celso Ramos

do site do Supremo Tribunal Federal da 4ª Região, 8 de junho de 2017 – O Tribunal Regional Federal da Leia mais »

EUA desiste de acordo “mãe da natureza” assinado em Paris

EUA desiste de acordo “mãe da natureza” assinado em Paris

por Luis Dufaur –  As quimeras se complicam na hora de tomar contato com a realidade. É o caso do Leia mais »

As regras do cartão de crédito

As regras do cartão de crédito

por Daniel Teske Corrêa O equilíbrio financeiro é fruto de um exercício constante de planejamento e disciplina. Evitar dívidas requer Leia mais »

A estratégia da hipocrisia

A estratégia da hipocrisia

Quatro socialistas nos funerais do socialismo Nelson Ribeiro Fragelli* No artigo A mudança que desorientou a esquerda, publicado no “Corriere Leia mais »

 

Cade investiga suposto cartel em licitações de estádios da Copa de 2014

Revista Consultor Jurídico –  As licitações das arenas Pernambuco (Recife), Castelão (Fortaleza), Dunas (Natal) e Fonte Nova (Salvador), além do Estádio do Maracanã (Rio de Janeiro), podem estar envolvidas em um suposto cartel de empreiteiras. A informação foi divulgada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que abriu investigação para apurar os fatos depois que a Andrade Gutierrez Engenharia S/A celebrou novo acordo de leniência.

A empreiteira, já envolvida em outro esquema de cartel investigado na operação “lava jato”, denunciou suas “colegas”, muitas delas também envolvidas em irregularidades viabilizadas por meio de contratos com a Petrobras. Segundo a c, teriam participado do suposto conluio a Carioca Engenharia, a Camargo Corrêa, a OAS, a Queiroz Galvão S/A e a Odebrecht.

A Andrade Gutierrez afirmou que, pelo menos, 25 funcionários e ex-funcionários dessas empresas teriam participado do suposto esquema. Além das arenas citadas, a empreiteira também contou que foram feitos acordos anticompetitivos envolvendo os estádios do Mineirão (Belo Horizonte) e do Morumbi (São Paulo), mas que esses arranjos não prosperaram.

No caso do Mineirão, segundo a Andrade Gutierrez, o acordo do suposto cartel não teria ocorrido porque o modelo de contratação foi alterado para parceria público-privada (PPP). Em relação ao Morumbi, o problema encontrado foi a substituição do estádio pela Arena Corinthians na lista de locais que receberam partidas do Mundial de 2014.

Segundo o Cade, outros dois estádios também foram citados pela Andrade Gutierrez, mas estão sendo mantidos em sigilo devido às investigações do Ministério Público Federal. A empreiteira informou que os contatos entre concorrentes começaram em outubro de 2007, ano em que o Brasil foi escolhido para ser a sede da Copa do Mundo de 2014, e duraram até meados de 2011, quando foram definidos os locais dos jogos.

O modelo do suposto cartel, segundo a Andrade Gutierrez, teria ocorrido em duas fases. Na primeira, as empresas firmaram um acordo anticompetitivo preliminar e indicaram quais seriam as obras que seriam suas preferidas. Além disso, também teriam escolhido como seria a subcontratação ou formação de consórcios.

Já na segunda fase do suposto cartel, os contatos entre concorrentes teriam passado a ser discutidos em reuniões bilaterais que tratavam de licitações específicas, que serviriam como uma espécie de compensação.

Andrade na Justiça

Além deste suposto cartel, a Andrade Gutierrez é citada em uma denúncia que tramita na 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. Nesse caso, 11 pessoas são investigadas por crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Elas são acusadas de usar empresas de fachada para emitir notas fiscais frias a grandes construtoras, entre elas a Andrade, durante as obras dos estádios da Copa do Mundo de 2014, da Ferrovia Norte-Sul e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Há também uma investigação envolvendo o senador e presidente nacional do partido Democratas, José Agripino Maia (RN). A apuração dos fatos foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, em 2015.

A investigação foi pedida pela Procuradoria-Geral da República, que acusa o senador de receber propina da empreiteira OAS nas obras de construção do estádio Arena das Dunas. Ao liberar a apuração, Barroso considerou que mensagens obtidas pela Polícia Federal revelam “possível solicitação e recebimento de vantagens indevidas”.

Segundo a PGR, Agripino conseguiu a liberação dos recursos do BNDES e, em contrapartida, teria recebido R$ 500 mil em doação oficial ao Diretório Nacional do DEM, em 2014. Com informações da Assessoria de Imprensa do Cade.

                                                                                                                             
Matéria publicada na Revista Consultor Jurídico }
em 5 de dezembro de 2016, 20h42