Restauração da Ponte Hercílio Luz entra na fase final

Restauração da Ponte Hercílio Luz entra na fase final

As barras de olhal, fundamentais na restauração da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, chegaram no canteiro de obras da empresa Leia mais »

Verdes sem argumentos: o Brasil está alimentando mais de um bilhão de pessoas!

Verdes sem argumentos: o Brasil está alimentando mais de um bilhão de pessoas!

 – por Luiz Dufaur* –  A produção de grãos do Brasil é superior a uma tonelada por habitante (dados finais Leia mais »

Autorizada construção de empreendimento imobiliário em Governador Celso Ramos

Autorizada construção de empreendimento imobiliário em Governador Celso Ramos

do site do Supremo Tribunal Federal da 4ª Região, 8 de junho de 2017 – O Tribunal Regional Federal da Leia mais »

EUA desiste de acordo “mãe da natureza” assinado em Paris

EUA desiste de acordo “mãe da natureza” assinado em Paris

por Luis Dufaur –  As quimeras se complicam na hora de tomar contato com a realidade. É o caso do Leia mais »

As regras do cartão de crédito

As regras do cartão de crédito

por Daniel Teske Corrêa O equilíbrio financeiro é fruto de um exercício constante de planejamento e disciplina. Evitar dívidas requer Leia mais »

A estratégia da hipocrisia

A estratégia da hipocrisia

Quatro socialistas nos funerais do socialismo Nelson Ribeiro Fragelli* No artigo A mudança que desorientou a esquerda, publicado no “Corriere Leia mais »

 

A Lava Jato e a “criminalização” da corrupção

por Percival Puggina –

O leitor destas linhas deve saber que foi instalada em nossos hábitos e costumes uma distinção entre o crime contra o patrimônio praticado por um e o mesmo crime praticado por muitos. O “coletivo” da segunda situação permite atribuir-lhe a característica de movimento social, ideologicamente credor de benevolência e reverência. As razões pelas quais as coisas se passam assim no Brasil permanecem envoltas pelos mistérios inerentes à alquimia marxista. Tremem as luzes do intelecto, borbulham as retortas cerebrais, fumegam os neurônios e pronto: afirmar que qualquer dos ditos movimentos sociais violou dispositivo do Código Penal torna-se pura e simples criminalização do movimento e isso não é coisa que se faça.

O MST já conta 32 anos empenhado em crescente pluralidade de causas, entre as quais a que menos importa é a reforma agrária. Até o PT, com o tempo, descobriu que desapropriar terra para assentar o pessoal indicado pelo MST é jogar dinheiro fora. Sob o ponto de vista político, resulta mais eficiente e mais barato dar dinheiro para o movimento e bolsa família para seus militantes. Tanto isso é verdade que após 13 anos e quatro governos federais petistas, Michel Temer esquentava sua cadeira há apenas uma semana quando o MST lhe apareceu com extensa pauta de reivindicações. Sem nenhum constrangimento.

Denunciar a “criminalização” dos movimentos sociais é ato de extrema astúcia, cujo objetivo consiste em criminalizar a denúncia do ato criminoso. Hoje, são condutas e expressões inseparáveis. Basta que alguém denuncie ou reaja a um crime contra a propriedade privada ou pública praticado por muitos para que, imediatamente, passe a ser acusado de estar criminalizando movimento social. Esta acusação pretende conseguir (e pela insistência e repetição consegue) que o denunciante seja percebido como réu ele mesmo. Invertem-se as culpas e responsabilidades. Graças a isso, o MST e os exércitos rurais do senhor Stédile sempre agem impunemente. Graças a isso, as milícias urbanas do MTST e do senhor Boulos obtêm a mesma proteção. Graças a isso, os truculentos máscaras-negras do senhor Freixo, conhecidos pela alcunha de Black Blocs, podem queimar lixeiras e espatifar vidraças sem serem tolhidos. Graças a isso, também, os adolescentes intelectualmente abusados por professores militantes podem invadir escolas e prédios públicos sem serem perturbados pelas instituições da República. E por aí vai a semeadura cultural da impunidade.

Se o leitor destas linhas observar a reação desses mesmos grupos, bem como a dos partidos e lideranças políticos que os sustentam, perceberá que a mesma estratégia está sendo aplicada em relação à força-tarefa da Lava Jato e, especialmente, ao juiz Sérgio Moro. Atacam os delegados, os procuradores e o juiz por estarem “criminalizando” condutas criminosas. O petrolão não foi um movimento social. Foi mais um movimento societário. Mas a Lava Jato está criminalizando a corrupção e isso deixa muita gente indignada.

                                                                                                                                                             
* Percival Puggina é membro da Academia Rio-Grandense de Letras,
arquiteto, 
empresário e escritor e titular do site www.puggina.org,
colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país.
Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia;
Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.